Gastronomia da região

Onde comer “à portuense” por “Tascas do Porto

Neste grupo de amigos, Pedro Tsou é quem organiza o jantar e escolhe o restaurante. Certa vez, alguém comentou que Pedro consegue sempre o restaurante ideal e que devia transportar esta arte para o Facebook. É assim que nasce uma comunidade em homenagem à gastronomia tradicional, às tascas que já não existem e às que teimam em continuar abertas.

Tripas à moda do Porto – Adega Viseu na Rua da Madeira 212

O segredo do prato mais representativo do Porto está na dose certa de cominhos. A Adega Viseu, ao lado da Estação de São Bento, é o restaurante certo para pedir umas tripas e ficar à mesa a conversar.

Francesinha – Bugatti Caffe na Rua da Constituição 758

Se as tripas são o rei da gastronomia portuense, a francesinha é sem dúvida a rainha. Originalmente é um prato de inspiração francesa, com um surpreendente picante africano. Hoje esta mistura de sabores está ainda mais diversificada.

Bifana – O Astro Cervejaria e Petisqueira na Rua da Estação 16

Por vezes, os pratos simples são os mais complexos. A carne de bifana tem que ser cortada na mesma espessura que uma fatia de fiambre, e depois, a sandes é incendiada com molho picante. Apenas um fino é capaz de apagar este fogo.

Cabrito Assado – Casa Amaro na Rua Capitão Pombeiro 25

Há 90 anos na família Amaro, destacam-se pelos assados em forno de lenha, que servem como uma memória viva de como era a gastronomia na cidade.

Cozido à Portuguesa – O Nuno na Rua do Capitão Pombeiro 246

A iguaria é uma presença constante na Invicta. Porém, em muitos restaurantes como O Nuno, só é servida em dias específicos. Convém perguntar antes e ter paciência para enfrentar a fila. Os perseverantes recebem um maravilhoso tacho de carnes e couves cozidas.

Tascas por “Roteiro Tasquinhas do Porto

Durante o fim de semana a rotina é sagrada e é tempo das romarias às tascas do Porto. Fátima Lopes, a família e alguns amigos percorrem a cidade à procura do novo espaço que abriu, ou do velho conhecido que nunca nos desilude.

Casa Guedes – Praça dos Poveiros 130

Qualquer português sabe identificar uma tasca, a toalha de mesa em papel, o vinho da casa, o ambiente familiar. À vista desarmada, a Casa Guedes é apenas mais uma tasca. Mas um olhar atento revela uma extraordinária sandes de pernil com queijo da serra, que merece todos os prémios (e já tem muitos).

O Buraquinho – Praça dos Poveiros 33

Ao lado da Casa Guedes está outra presença maior da gastronomia portuense. O Buraquinho é uma taberna recôndita que já se confunde com a história da cidade, com tripas, rojões, chispe e orelheira. Infelizmente encontra-se em perigo de fechar portas.

A Conga – Rua do Bonjardim 314

Desde 1976 que a Conga é a maior autoridade de bifanas na cidade. As fatias meticulosamente cortadas com a finura exata, o molho característico, e claro, a cerveja gelada. Segundo a lenda, não é possível comer apenas uma bifana.

Bufete Fase – Rua de Santa Catarina 1147

Se perguntar a alguém qual a melhor francesinha, prepare-se para receber um roteiro detalhado, e se discordar, uma acirrada discussão. O Bufete Fase é muitas vezes escolhido, talvez pelo ambiente informal, mas certamente pelo molho da francesinha. A receita é secreta.

Muu Steak House – Rua do Almada 149A

Este é um dos recentes restaurantes no Porto que fazem a diferença, especializado em carne de vaca. É o local para os carnívoros desavergonhados, para pedir um costeletão maturado ou corte Tomahawk.

Vinho por “Vinho, saber provar!

Não há maus vinhos, existem paladares diferentes. Quem o defende é Duarte Costa Pereira, Engenheiro Agrícola e Pós Graduado em Enologia. Além de supervisor de Prova Sensorial, é formador de vinhos. Nos tempos livres partilha o seu conhecimento na página “Vinho, saber provar!”.

Vinoteca de Copo e Alma – Rua de Mouzinho da Silveira 90

O slogan é a “Biblioteca dos vinhos” e não é por menos: são mais de 400 referências de vinhos, numa garrafeira que funciona em simultâneo como wine bar e palco de concertos jazz. É a casa da Niepoort e a recomendação é o vinho do Porto Vintage.

Capela Incomum – Travessa do Carregal 77

Uma capela convertida em bar de vinhos é o cenário inusitado para escapar do reboliço noturno da Baixa. Presença inevitável do fado, e de um copo de vinho para harmonizar com tapas. Outro atrativo é a sugestão de vinho fora da carta, que contempla os pequenos produtores do país.

Wine Quay Bar – Cais da Estiva 111

Em frente ao Rio Douro, no cais da Ribeira, o Wine Quay Bar tem uma oferta consistente de vinhos, disponíveis a copo e uma série de petiscos. A esplêndida vista é o principal atrativo.

Casa do Livro – Rua Galeria de Paris 85

Em 2007, Duarte Costa Pereira ajudou este wine bar a dar os primeiros passos, com uma seleção vínica e, depois, com workshops de vinho. Esta antiga livraria é um espaço tranquilo dentro das concorridas Galerias de Paris, um dos principais pontos noturnos da cidade.