História viva

Memórias da cidade por “Porto Desaparecido

O entusiasmo pela história, pelos vestígios do tempo, levaram Manuel de Sousa a criar esta comunidade em 2012 e, apenas um ano depois, a receber Medalha Municipal de Mérito pela Câmara do Porto. A comunidade nasceu da convicção de que a melhor forma de entender a cidade em que vivemos é através do conhecimento da história.

Calçada portuguesa nos Aliados – Avenida dos Aliados

No início deste século, a Avenida dos Aliados ainda tinha a placa central e os passeios repletos de calçada portuguesa. Em 2005, no âmbito de um projeto de arranjo urbanístico sob a direção de Álvaro Siza Vieira e Souto de Moura, o pavimento foi substituído por granito. Porém, parte dessa calçada foi trasladada para a vizinha Rua de Sampaio Bruno, onde ainda subsiste.

Ponte Pênsil – Cais da Ribeira

Começaram a construir a Ponte Pênsil em 1841, para substituir a trágica Ponte das Barcas. Manteve-se em funcionamento durante 45 anos, até ser substituída pela Ponte Luís I. Atualmente, na margem direita do Douro, restam apenas os pilares e as ruínas da casa do guarda, classificados como Imóveis de Interesse Público.

Palácio de Cristal – Rua de Dom Manuel II

Inaugurado em 1865, o Palácio de Cristal do Porto albergou a primeira Expo portuguesa, bem como centenas de feiras, exposições e concertos. No entanto, acabou por ser demolido em 1951 para dar lugar ao Pavilhão dos Desportos. Hoje ainda podemos visitar os magníficos jardins.

Nossa Senhora de Vandoma – Calçada de Vandoma

Durante séculos, a Porta de Vandoma era a principal entrada para a muralha primitiva da cidade, encimada pela estátua de Nossa Senhora de Vandoma. Segundo a lenda, a estátua terá sido trazida por um prelado francês de Vendôme. A porta foi demolida em 1855 e a estátua está desde então na Sé, assumindo-se como padroeira e símbolo heráldico da cidade.

Lugares escondidos por “Porto à la Carte

Em Portugal desde 1983, Jean-Pierre é um parisiense apaixonado por fotografar a cidade para onde veio morar por motivos profissionais. Começou as longas caminhadas para combater o colesterol e descobriu o prazer em partilhar as histórias do Porto.

O antigo ramal ferroviário da Alfândega – Avenida Gustavo Eiffel

Construído em 1880, o antigo ramal ferroviário foi durante décadas uma ligação fundamental entre a Estação de Campanhã e a Alfândega do Porto. Na margem direita do Douro, ao subir as escadas, é possível percorrer 4 km deste ramal, sendo uma oportunidade atravessar os dois túneis com vista surpreendente.

Bandeirinha da saúde – Rua da Bandeirinha 27

Na Rua da Bandeirinha, como o nome indica, era içada uma bandeira nos séculos XV e XVII. A bandeira era içada em cima do torreão de granito rematado com ferro forjado, ainda hoje visível, que marca o limite da atracagem de navios durante períodos de peste.

Jardim das Virtudes – Calçada das Virtudes

A Calçada das Virtudes, atrás do Palácio da Justiça, abre caminho para um jardim encantador, desenhado em socalcos, antigo local de operação para a Companhia Hortícola Portuense. Há quem defenda que é o pôr-do-sol mais bonito da cidade.

Capela Santa Catarina e Senhora dos Anjos – Largo Santa Catarina 3

Na capela de traço barroco está um miradouro com vista deslumbrante da cidade, perfeito para captar a imersão da água doce com a água salgada, a afluência do Douro no Atlântico. Obrigatório levar máquina fotográfica.